quarta-feira, novembro 25, 2009

Luis Pires - Poem...

By popular request here goes my favourite:

Há noites assim

Solidão que se instala
Uma praga que se espalha

Coração que dói com o peso
Peso de não sentir o amor
Amordaçado na dor

Olhos que guardam as lágrimas
Que pesam nos olhos
Que rogam para ser vertidas
Que ardem aprisionadas

E choro sem lágrimas
Escorro para dentro
Tudo chega ao coração
Encharcado em dor

Boca cerrada
Sorriso morto

Onde estou eu
Que não me encontro

Onde estou
Morto?

Estou onde não estou
Sou quem não sou
Vou para onde não vou
Sinto o que não sinto

Tudo falso
Tudo perdido
Sem amor
Sem sentido

(Does anyone dare to translate it into English or German...?)

One should read it by listening as well to the voice of Liz Fraser. In my experience both should be enjoyed hand-in-hand. One helps the fruition of the other and vice-versa...

">

As soon as I have more information regarding the publication date, I'll post it here.

4 comentários:

Anónimo disse...

Já há data de publicação?

João Paulo

Anónimo disse...

Die portugiesische Sprache ist sehr schön. Zum einen finde ich den Klang dieser Sprache sehr erregend, zum anderen ist die portugiesische Ausdrucksweise irgendwie originell.

Dieses Gedicht ist merkwürdig. Ich habe alles verstanden, aber das Tempo der Vorlesung war eigenartig. Das Gedicht hat sein eigenes Tempo... Wir können nicht es erhöhen oder drosseln.

W.

Anónimo disse...

O Luis Pires foi bafejado pelos Deuses! Podes publicar mais alguma coisa?

Como surgiu a oportunidade da entrevista?

Pedro

Anónimo disse...

Como o Wolfgang referiu, o Luis tem jeito para a coisa.

Não sei se já há data de saída do livro?

Bjs,

Luisa